Milho em baixa permite que o produtor aproveite todo o potencial da soja

15 out

Diante dos baixos preços para o mercado do milho e tendência de baixa nas cotações alguns produtores ainda não decidiram sobre a quantidade de milho que devem plantar na segunda safra. Os atuais preços inviabilizam a produção do grão em Mato Grosso, já que a previsão de investimento para próxima safra é de aproximadamente R$ 16,39 por saca e o preço atual gira em torno de R$ 12,35, segundo informações do Instituto Mato-Grossense de Agropecuária (Imea). “Ainda não decidi se vou plantar milho, com o atual preço e diante dos custos não está compensando”, disse o primeiro produtor visitado pela equipe da 5ª edição do Circuito Tecnológico, Dorvalino Sandri.

IMG_6288

Na atual safra, Dorvalino deve plantar 1.940 hectares com soja, sendo 1.200 na primeira fase para garantir a janela adequada, caso resolva fazer segunda safra com milho, o que vai depender de como vai se comportar o mercado do cereal. O plantio na propriedade começou na semana passada, mas já está em 30% devido a chuvas regulares. “Desde o inicio do plantio tivemos chuva a cada dois dias e a previsão é que se termine no final do mês”, informou o gerente da fazenda, André Piloneto Neto.

O diretor técnico da Aprosoja, Nery Ribas, explica que tem notado que a preocupação dos produtores este ano é aproveitar todo potencial da soja, diferentemente do ano passado que se ansiava plantar milho na segunda safra. “Não estamos com o plantio atrasado, os produtores estão plantando na janela adequada, plantando a população adequada por hectare, ou seja, dando mais atenção à plantação de soja e com tranquilidade”. A informação é de que os produtores que adiantaram o plantio são principalmente os que vão plantar algodão na segunda safra.

Em outra propriedade visitada por uma das oito equipes do Circuito Tecnológico, a Fazenda Hervalense, foi notado que o planejamento do plantio é focado 100% na colheita. Há cuidado para não perder o grão por conta do excesso de umidade ao retira-lo da lavoura. Lá, 30% da safra 2013/14 já foi comercializada.

A expedição traçará um raio-x da safra de soja 2013/14 até o final de outubro por  meio de questionamento referentes à qualidade de sementes, fertilizantes, manejo de pragas, uso de maquinários, gestão, mão-de-obra, infraestrutura entre outros.

Circuito Tecnológico – A expedição é uma realização da Aprosoja e Serviço de Aprendizagem Rural (Senar/MT) e tem como patrocinadores  Basf, Dow Agrosciences e Bayer. O grupo é formado por oito equipes que visitarão no total 600 propriedades nas regiões produtoras de soja. Fazem parte das equipes profissionais da área técnica, os supervisores da Aprosoja, colaboradores do Senar, estudantes do curso de Agronomia e consultores da Empresa Brasileira de Pesquisa (Embrapa), Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) e da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato). Na primeira semana, de 14 a 18, serão visitadas as regiões Norte e Oeste.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: